Esta sala é o ponto central da fachada principal que se abre sobre a praça e a Basílica.
Destes varandins podia a Família Real assistir às cerimónias religiosas e, da varanda que abre sobre o Terreiro, D. João V aparecia ao povo.

O Palácio de Mafra foi a principal escola de construção do século XVIII em Portugal. Aqui aprenderam e trabalharam não só engenheiros e arquitectos, como operários especializados – entalhadores de pedra, marceneiros, vidraceiros e até escultores.
Para esta Real Obra se inventaram máquinas e guindastes que elevavam os grandes blocos de pedra que por vezes obrigavam à utilização simultânea de 30 ou até 50 juntas de bois. Foi esta grande experiência construtiva que permitiu a reconstrução de Lisboa depois do terramoto de 1755.
A pedra utilizada é da região de Sintra e Pero Pinheiro, como o Amarelo de Negrais, o Encarnadão “Chainette” e o St. Florien Rose do lugar de Lameiras, freguesia da Terrugem, o Liós Azulino, do lugar da Maceira, freguesia de Montelavar ou o Negro de Mem Martins.

Sala da Benção
Sala da Benção