A Sala dos Actos Literários, situada no extremo Sul do Corredor das Aulas, destinava-se à apresentação e defesa dos Actos finais ou Conclusões (exames) das aulas de Teologia, Moral, Lógica, Física, Metafísica e Gramática instituídas no convento desde o reinado de D. João V.
Ao longo da parede existem assentos destinados, do lado Norte da sala, aos Padres mestres arguentes, ao todo 24, vindos de Lisboa e pertencendo a doze Conventos e Ordens diferentes, e ainda ao Provincial e à Mesa da Definição.
Nos assentos do lado Sul, tomavam lugar o Regente dos Estudos, seguidos dos Doutores Seculares, depois os Lentes, os Substitutos da Província e em último lugar os Passantes.
No topo da sala, num patim para o qual se sobe por três degraus, ficava a Cadeira Magistral, onde se sentava o Presidente do Acto.
Na parede Norte, uma tela de Sebastiano Conca representando A Imaculada Conceição.
Esta sala serviu de açougue durante a primeira invasão francesa e, mais tarde, foi sede do Tribunal da Vila até aos anos 90 do século XX.